“Insustentabilidade” é tema no Palco Giratório


 

Nesta sexta-feira, 07/04, chega a Aracaju a primeira etapa do Projeto Palco Giratório, com a intervenção urbana Dilúvio MA, do grupo Ecopoética (RS). A intervenção ocorrerá das 06 às 10h, na Ponte do Rio Poxim (Parque dos Cajueiros), com os performes pendurados em uma rede cheia de lixo.

Para compor a ação os artistas buscaram referências na dança Butoh Japonesa. “A ideia é chamar a atenção para a responsabilidade com tudo que descartamos e para a urgência no tratamento de questões ambientais e sanitárias, que deveriam ser prioritárias à saúde urbana”, disse a diretora regional do Sesc, Adely Carneiro.

Também com o propósito de sensibilizar a sociedade para a poluição do Rio Poxim, os alunos da Escola de Remo irão fazer no mesmo horário uma limpeza simbólica do rio, com o auxílio de barcos, caiaques e stand-up paddle. “A sociedade precisa se movimentar e cobrar políticas públicas ambientais. Todos os dias passamos pelo Poxim e ficamos alheios ao que vem acontecendo por conta do acúmulo de lixo e esgotos”, enfatizou a diretora.

No sábado, 08/04, entre 08 às 10h, na feira livre do conjunto Marcos Freire II, em Nossa Senhora do Socorro, a performer Maicyra Leão fará a intervenção Experimentos Gramíneos, que traz da mesma forma o tema insustentabilidade. Vestida com uma roupa construída a partir de pedaços de grama artificial a performer irá se deslocar por ruas de grande circulação de pessoas, com um regador de água, em um trajeto moldado pela interação com o público passante.

Segundo Maicyra, a busca por sustentabilidade é responsabilidade de todos os campos do conhecimento humano. “A arte tem uma força capaz de iluminar a sensibilidade e a empatia, ferramentas necessárias para alavancar transformações concretas na forma como nos relacionamos com o mundo à nossa volta”, ressaltou.

 

Lançamento Nacional – Palco Giratório 20 anos

 

Adely Carneiro e Fernando Almeida, Diretor de Cultura e Educação do DN

O projeto Palco Giratório comemora 20 anos de atuação. O circuito nacional deste ano foi lançado dia 29/03, em Campina Grande (PB), com a participação de diretores regionais, curadores e jornalistas de 25 estados brasileiros.

Até dezembro o projeto visitará 144 cidades, somará 685 apresentações, contará com a participação de 20 companhias e realizará 1.188 horas de oficinas teatrais.

Acompanhada do curador do Palco Giratório em Sergipe, André Santana, a diretora regional do Sesc participou do evento e acompanhou de perto a coletiva de imprensa, os debates e assistiu à apresentação inédita do espetáculo de rua Caliban – a Tempestade de Augusto Boal, e o monólogo Ledores no Breu, do grupo paulista Cia do Tijolo.