“Povos Indígenas: Territórios de Resistência” abre Seminário Palco Giratório 20 anos


 A Fecomércio/Sesc iniciou na tarde de ontem, 21/11, no auditório da Unidade Centro, o Seminário Palco Giratório. O evento é uma ação comemorativa aos 20 anos do maior projeto de difusão, intercâmbio e circulação das artes cênicas no país.

Representantes do Departamento Nacional e Administrações Regionais da instituição participam da última etapa de realização do seminário, que também aconteceu em outras capitais, com a finalidade de discutir temas que perpassam pelo cotidiano das comunidades e seus territórios.

A primeira mesa temática foi “Povos Indígenas: Territórios de Resistência”, formada pelo cacique Heleno, da Tribo Xocó, situada no município de Porto da Folha; Juma Marruá, doutoranda em teatro; o indígena Urutu Guajajara, mestre em linguística e Emanuele Mattiello, do Sesc de Santa Catarina. Eles relataram as suas lutas, dificuldades estruturais e a falta de políticas públicas de afirmação e defesa dos povos originários em vários estados do país.

O Seminário irá promover seis mesas temáticas que irão tratar sobre Povos Indígenas, diversidade e Questões de Gênero, Ciclo Junino, Processos da Cena Contemporânea, Crítica nas Artes Cênicas, Curadoria e Gestão Compartilhada. Todas as palestras são traduzidas por intérpretes em Libras.

De acordo com o representante do Departamento Nacional do Sesc, Rafael Viana, o Palco Giratório completa 20 anos de uma sólida trajetória que marca o desenvolvimento das artes cênicas no Brasil desde a sua criação em 1997. “É um projeto que nos dá muito orgulho pela longevidade, algo inédito no Brasil, diante das políticas culturais descontinuadas e iniciativas que a princípio geram grande visibilidade e em pouco tempo desaparece”, disse o assessor, ressaltando, o vigor e a pujança do projeto, fruto do empenho e da dedicação das equipes do Sesc em todo país.

Para a diretora regional do Sesc, Adely Carneiro, a iniciativa constitui uma formulação de pensamento, reflexão e conhecimento ao juntar apresentações de espetáculos, intercâmbios e debates. “Neste período a diversidade é um aspecto chave do projeto e uma oportunidade ímpar no estabelecimento de contatos com outros discursos e abordagens que visem a abertura de pontos de vista sobre e política cultural no Brasil”, destacou a diretora.

 

 

Programação completa:

Dia 22/11 (Quarta-feira)

14h – Mesa “Lugares de Fala: Diversidade e Questões de Gênero”

Com Amara Moira (SP), Daniel Lima (SE) e Linda Brasil (SE)

Mediação de Daniel Rezende (RN)

 

16h – Mesa “Dimensões Rituais, Estéticas e Lúdicas na Dança do Ciclo Junino”

Com André Camilo (SE), Eufrásia Cristina Menezes (SE) e Mário Léo (SE)

Mediação de Genário Dunas (AP)

 

Dia 23/11 (Quinta-feira)

14h – Mesa “Processos e Poéticas da Cena Contemporânea”

Com Francis Wilker | Teatro do Concreto (DF), Euler Lopes | A Tua Lona (SE) e Diane Veloso | Caixa Cênica (SE)

Mediação de Rita Marize (PE)

 

16h – Mesa “A Crítica nas Artes Cênicas e a (Des)Sacralização da Crítica”

Com Michele Rollim (RS), Raimundo Venâncio (SE) e Feliciano José (SE)

Mediação de Ana Paolilo (BA)

 

Dia 24/11 (Sexta-feira)

14h – Mesa “Os Lugares do Palco: Curadoria e Gestão Compartilhada”

Com Raphael Vianna Coutinho (RJ), Ana Paolilo (BA), André Santana (SE), Daniel Rezende (RN), Emanuele Weber Mattiello (SC), Genário Dunas (AP) e Rita Marize (PE)

*Lançamento do livro “O que pensam os curadores de artes cênicas”, de Michele Rolim (RS).