Sescanção, ano que vem os músicos querem mais


A definição feita pelo público para os três dias de apresentações da maior mostra de música de Sergipe foi clara. As mais de 1200 pessoas que acompanharam o Sescanção foram uníssonas ao afirmar que a festa foi um “grande espetáculo”. O Teatro Atheneu se transformou em um cenário da sonoridade, com as músicas tocadas pelos artistas selecionados na Mostra, que este ano completou 21 anos.

A emoção tomou conta do público que acompanhou uma superprodução musical, de palco, luz e vídeo, digna das maiores apresentações musicais em nível nacional, já feitas em Sergipe. O espetáculo, promovido pelo Sistema Fecomércio-Sesc, envolveu mais de 50 profissionais nos bastidores em sua produção e desenvolvimento, com a participação dos 18 artistas selecionados que se apresentaram no palco que já tornou o Sescanção uma festa imortalizada.

Os talentos da música sergipana surpreenderam a todo o público presente no Atheneu, com suas apresentações musicais. Segundo o presidente da Fecomércio, Laércio Oliveira, os artistas selecionados representaram o que há de melhor nos jovens talentos sergipanos.

“A qualidade dos artistas selecionados foi surpreendente. Ouvi as músicas selecionadas após a a seleção e pude avaliar que nós teríamos os melhores talentos se apresentando no Atheneu, o que foi confirmado nos três dias de apresentação. Sergipe continua sendo um grande celeiro de talentos musicais e o Sescanção confirmou isso, com essas belas apresentações. Vivemos três noites que foram uma grande experiência sensorial musical, devido à alta qualidade da música genuinamente sergipana”, destacou o presidente.

Os artistas selecionados também não esconderam sua emoção em participar do Sescanção. Muitos cantores e músicos se emocionaram e desabaram em lágrimas, durante suas apresentações, a exemplo de Hugo Sanbone, que voltou a se apresentar em um palco sergipano, após 20 anos de carreira nacional e internacional, bem como Carlos Bert, que cantou com a voz forte e o olhos marejados.

O sentimento entre os artistas selecionados para o Sescanção, era de muita alegria. Para eles, participar do maior evento já produzido pelo Sistema Fecomércio/Sesc, para celebrar a música, foi uma oportunidade de congraçamento explorando as mais variadas vertentes musicais. Apresentações como a do maestro J.Gentil, que misturou vários ritmos, a exemplo de choro com baião e jazz com samba, levantaram o público.

O evento contou com uma homenagem ao grupo Cataluzes, que comemora 36 anos de carreira. O quarteto recebeu a homenagem da Fecomércio no palco, diante dos espectadores e cantou seu maior sucesso, o hino do coração dos aracajuanos, “Cheiro da Terra”.

A noite do evento que mais chamou a atenção foi a da música gospel, com cantores de diversas correntes religiosas se apresentando no Sescanção. Desde a fé em Jesus, a crença em Deus, até a paz de Jah, foram cantadas por católicos, evangélicos, rastafári, entre outras denominações.

O espetáculo deste ano foi encerrado com um blues composto pelo maestro Moisés, Diretor Musical, que participou do projeto desde o início. Todos os participantes encerraram a Mostra, cantando “Sescanção, ano que vem, eu quero mais”, como uma despedida que promoveu a interação entre os cantores e os espectadores que cantaram juntos o refrão.

SESCANÇÃO 2017