Terreirada da Pareia leva Coco de Tebei à Mussuca


Uma das funções do programa Aldeia Sesc de Artes é promover o intercâmbio cultural entre os estados brasileiros. Assim como durante a semana, os grupos teatrais Aquela Cia, do Rio de Janeiro e Ói Nóis Aqui Traveiz, do Rio Grande do Sul estiveram se apresentando em Aracaju, no último sábado (19), foi a vez do povoado Mussuca, em Laranjeiras, terra do Samba de Pareia, receber a visita do grupo folclórico da cidade de Taracatu, em Pernambuco, Coco de Tebei, na sua casa, para uma grande festa da cultura popular promovida pelo Sistema Fecomércio de Sergipe, a Terreirada da Pareia.

Mais de 200 espectadores assistiram à apresentação do Coco de Tebei no Centro Social do povoado, e acompanharam a dança do coco feita por casais enlaçados com a marcação do ritmo feita pelos pés. A manifestação cultural possui mais de 100 anos de existência e é cantado exclusivamente por mulheres.  O espetáculo de 1 hora e meia de duração apresenta dezesseis cocos diferentes, com temáticas que remetem à vida no sertão pernambucano e as relações das pessoas com a natureza local.

Os pernambucanos foram recebidos pela anfitriã do grupo de Samba de Pareia local, Dona Nadir da Mussuca, que disse estar muito alegre em poder participar desse intercâmbio promovido pelo Sesc e também do projeto Sonora Brasil, no qual seu grupo está viajando pelo Brasil numa turnê de dois anos, com dezenas de apresentações.

“É muito bom receber o Coco de Tebei aqui na Mussuca, na nossa casa. O povo da Mussuca é muito orgulhoso do que faz e de ser um centro de formação cultural em Sergipe. Conhecer outras culturas, outras manifestações, é muito bom para nosso estado e faz a gente mais feliz. Isso deixa a gente mais animado para continuar fazendo um trabalho bonito para todo o Brasil ver. Estamos viajando por todo o país com o apoio do Sesc, mostrando a cultura sergipana para o povo”, disse Nadir.

O presidente do Sistema Fecomércio, Laércio Oliveira, lembrou a importância do intercâmbio entre estados como uma fonte de enriquecimento cultural e valorização da cultura, fortalecendo a identidade artística da população.

“Levar nossas manifestações culturais para outros estados, bem como trazer os representantes de outros lugares pra Sergipe nos faz ficar cada vez mais conhecedores de nossa própria cultura e fortalecer a nossa identidade, além de promover o conhecimento do que acontece pelo Brasil afora. Isso é dar um ganho cultural muito grande para o público, é fortalecer a sergipanidade, é valorizar nossa identidade artística, é ter mais orgulho de ser sergipano. Conhecer as outras culturas é maravilhoso para que possamos valorizar ainda mais nossos regionalismos culturais”, disse Laércio Oliveira.

Além da apresentação do Coco de Tebei, a Terreirada da Pareia contou com o próprio Samba de Pareia, além da aula inaugural do Mestrado em Culturas Populares da Universidade Federal de Sergipe, espetáculo de dança, Reisado, apresentação do São Gonçalo e do Grupo Musical Ibura.